Quimioterápicos

maio 15, 2008

SULFAS

As sulfas foram os primeiros antimicrobianos eficazes utilizados por via sistêmica, na prevenção e cura das infecções bacterianas, no homem e nos animais.

As sulfas foram amplamente utilizadas, mesmo no período do advento das penicilinas; entretanto, devido ao aparecimento de resistência microbiana e dos vários relatos de seus efeitos adversos, o uso destes quimioterápicos foi sendo limitado, principalmente em Medicina Humana. Na década de 70, com a descoberta do trimetropim, substância que, quando utilizada em associação com as sulfas, potencializa sua ação antimicrobiana, houve o renascimento do uso destes quimioterápicos. Atualmente, as sulfas ocupam ainda destacado papel no tratamento de diversas infecções dos animais domésticos. Além disso, estes quimioterápicos vêm sendo amplamente utilizados na ração de animais de criação, com o objetivo de prevenir as denominadas “doenças de confinamento”.

Mecanismo de Ação

As sulfonamidas, quando administradas em concentrações terapêuticas, são bacteriostáticas e, em concentrações altas, são bactericidas, mas nestas concentrações podem causar graves reações adversas ao hospedeiro. Este quimioterápico é um análogo estrutural do ácido p-aminobenzóico (PABA), uma substância essencial para síntese de ácido fólico, o qual, por sua vez, quando em sua forma reduzida, o ácido tetraidrofólico, é fundamental para a síntese de DNA e RNA bacteriano; portanto, as sulfas funcionam como um antimetabólito.

Vias de Administração

Administrados principalmente por via oral. Estes quimioterápicos podem também ser aplicados topicamente (pele, útero e glândula mamária); mas não se recomenda a administração por esta via, uma vez que, com exceção da sulfadiazina de prata, as sulfas podem promover reações alérgicas e retardo na cicatrização. Além disso, o pús, os produtos de metabolismo tecidual e o sangue diminuem bastante a eficiência destes quimioterápicos. Os sais monossódicos das sulfas podem ser administrados por via intravenosa.

Características Farmacocinéticas

Com exceção daquelas sulfonamidas preparadas para atuarem localmente (sulfas de ação entérica), após a administração oral destes quimioterápicos haverá a absorção, podendo a taxa desta variar enormemente, dependendo do tipo de sulfa empregada.

A absorção das sulfas em outros sítios, tais como útero, glândula mamária e pele lesada, varia bastante, mas, de maneira geral, nestes locais a quantidade absorvida é muito pequena.

Todas as sulfas se ligam, de maneira variável, às proteínas plasmáticas, particularmente a albumina. Esta variação esta relacionada principalmente com o pK, destes quimioterápicos. Assim, no pH fisiológico, as sulfas com baixo pK, apresentam alto grau de ligação com as proteínas, e o contrário ocorre com aquelas sulfas com alto pK.

As sulfas se distribuem amplamente por todos os tecidos do organismo. Estes quimioterápicos atravessam a barreira hematoencefálica e placentária, podendo apresentar níveis fetais semelhantes aos dos plasmáticos.

As sulfonamidas são biotransformadas no fígado.

A eliminação das sulfas se faz por via renal. Uma pequena proporção de sulfas pode ser eliminada através de secreções como saliva, suor e leite e, devido à excreção por esta ultima via, preconiza-se que a utilização do leite de vacas tratadas com estes quimioterápicos só deva ocorrer, em média, 4 dias após a ultima administração.

Efeitos tóxicos

A toxicidade pode ser aguda ou crônica. A toxicidade aguda é bastante rara e normalmente esta associada a altas doses ou então à administração rápida da sulfa pela via intravenosa. Os sintomas são aumento de salivação, diarréia, hiperpnéia, excitação, fraqueza muscular e ataxia.

A toxicidade crônica mais comumente observada é a cristalúria sulfonamídica,com sinais de diminuição da micção e dor, hematúria e cristalúria, sendo este efeito relacionado com a precipitação das sulfas e principalmente de seus metabólitos acetilados nos túbulos contorcidos renais.

Usos

As sulfas são antimicrobianos de amplo espectro de ação, efetivos contra bactérias Gram-(+) e algumas Gram-(-), como Enterobacteriaceae. Têm ainda ação contra Toxoplasma sp e alguns protozoários como Coccidia. O emprego das sulfas foi, em grande parte, substituído por outros antimicrobianos, visto que muitos dos microorganismos inicialmente bastante sensíveis a estes quimioterápicos desenvolveram resistência a eles. Por outro lado, na ausência de resistência, as sulfas têm grande vantagem sobre vários antimicrobianos; entre as principais, de grande importância em Medicina Veterinária, citam-se o baixo custo e a administração oral para ruminantes, pois, ao contrário de outros antimicrobianos de amplo espectro, as sulfas não causam alteração na flora ruminal.

Principais indicações para uso de sulfas em eqüinos:

- Infecções secundárias do trato respiratório, poliartrite, doença do navicular de potros.

Resistência Bacteriana

A resistência bacteriana às sulfas normalmente ocorre de maneira gradativa e lenta. Entretanto, uma vez estabelecida, é persistente e irreversível. Presume-se que tal resistência se faça principalmente através de plasmídeo. São reconhecidas varias formas de resistência bacteriana às sulfas, entre elas:

- diminuição da afinidade das sulfas pela diidrofolato redutase;

- aumento da capacidade do microorganismo de inativar o quimioterápico;

- caminho metabólico alternativo para a formação do ácido fólico;

- aumento da produção de PABA pelas bactérias.

Texto redigido por Rudiard Nardelli, quando acadêmico pela Universidade Federal do Paraná – UFPR.

About these ads

2 Respostas para “Quimioterápicos”

  1. Vanessa disse

    Nomes comerciais de sulfa injetavel e oral

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: